Já ouviu falar sobre a Acumulação de Animais? Por Vanessa Tagliari

Ultimamente tem-se percebido que os casos de acumulação são cada vez mais frequentes, um transtorno invisível mais comum do que nós possamos imaginar.

Assim como já falamos sobre os acumuladores de objetos, também temos a categoria de acumuladores de animais, estes acreditam que precisam salvá-los, eles imaginam a maneira maravilhosa como irão dar amor e cuidar dos animais, enquanto negligenciam os efeitos de ter demasiados.

Observa-se que, geralmente, essa pessoa acumula mais animais que o espaço e suas condições permitem, sem conseguir alimentá-los adequadamente, nem prestar o devido atendimento veterinário, fazendo com que os animais percam peso, adoeçam e inevitavelmente, morram.

De acordo com a psicóloga Clarissa Ramalho, o acúmulo de animais, mais que um gesto de compaixão com animais abandonados, é um transtorno mental. E para ser diagnosticado como tal, não basta ter uma quantidade grande de animais em casa, o que o define não é o número de animais, mas sim um padrão de comportamento.

Acumuladores NÃO são protetores, não se pode confundir! A proteção animal é diferente, pois o protetor irá castrar, vacinar e colocá-los para adoção!

Muitas vezes o acumulador não percebe o mal que lhes causa, o apego excessivo que têm impede que ele os queira doar, muitas vezes permanecendo até com os mortos.

Outra questão a ser pensada, é que essa situação pode representar um risco social, uma vez que os animais não têm acesso aos cuidados veterinários, tornando-os assim, portadores de doenças infectocontagiosas e, como não são esterilizados, reproduzem-se sem qualquer tipo de controlo, aumentando cada vez mais esse acúmulo. Além disso, fezes e urina podem ir ocupando os espaços.

Que tipo de ajuda podemos oferecer para a pessoa que apresenta esse comportamento?

Como já dissemos, o importante ao abordar as pessoas com comportamentos de acumulação é atuar com uma equipa multidisciplinar. Para as pessoas que “acumulam” animais, a sugestão seria ajudar a pessoa a perceber que a maneira que cuida deles não é a ideal, já que para ela, doá-los ou afastar-se deles é algo extremamente doloroso.

E como podemos fazer isso?

Mostrar para o acumulador quais são as condições de vida necessárias ao conforto e saúde dos animais e dela própria, ajudá-la a entender que o número excessivo de animais impede que ela os alimente e ofereça os cuidados veterinários adequadamente, além de espaço e outros cuidados.

Faze-la entender que a situação não é adequada para uma vida saudável, pois ela pensa que cuida bem deles e que os ama realmente. Entretanto, segundo a psicóloga, isso não é AMOR, trata-se apenas de um sentimento de posse que a impede de deixá-los ir para um lugar ou pessoa que cuide bem deles.

É preciso paciência e EMPATIA para com esta pessoa, por isso, defini-la como “PORCA”, “LOUCA”, “DOENTE“… não ajudará em nada! É preciso ter coragem, preparação e compaixão para ajudar!

(coragem, pois para ajudar não podemos ter receio da reação do outro).

Muitas vezes, amigos e familiares, não conseguem ajudar efetivamente, por isso é muito importante, como disse, contar com o trabalho de vários profissionais.

Essa ajuda deve vir de um profissional da saúde como psiquiatras e psicólogos, que atuam em casos de transtorno de acúmulo, um organizador profissional capacitado para ajudar a organizar a casa de forma a acolher adequadamente o número possível e aceitável de animais, de acordo com o espaço e condição disponível, e uma empresa especializada em limpeza extrema.

Um trabalho especializado de limpeza, como o que é oferecido pela DEATHCLEAN é muito importante após a remoção dos animais, pois é imprescindível, para a saúde dos moradores, a limpeza e desinfeção  da maneira correta e eficaz, principalmente se houver a presença de animais mortos  e dejetos no local.

Para saber mais sobre estes casos, leiam esta reportagem de janeiro de 2018 do Diário de notícias: Estão a aumentar os acumuladores compulsivos de animais

Autora: Vanessa Tagliari – Organizadora de Espaço.

Vanessa TagliariOrganizadora profissional desde 2016, com certificação profissional comprovada e onde atualmente se encontra a especializar na resolução de problemas de desorganização crónica e acumulação excessiva.
A Vanessa, ajuda as pessoas a encontrarem a organização dentro de si através da organização dos espaços físicos. Saibam mais sobre o trabalho da Vanessa Tagliari em: Vanessa Tagliari – Organizadora Profissional

** Este artigo foi elaborado com a colaboração das seguintes profissionais:

PALAVRAS-CHAVE: Acumulação compulsiva; Hoarder; Hoarding; Deathclean; Organização; Organizadora; Vanessa Tagliari; Acumulação de animais; Animais; Distúrbio