Risco de Segurança e Acumulação (Por Vanessa Tagliari)

A acumulação para além de complexa e dolorosa, pode ser também uma situação de perigo para quem acumula. Além do ambiente cheio de todo o tipo de objetos e\ou animais, a acumulação pode colocar em risco a segurança dos moradores da casa.

Para apoiar os organizadores profissionais que lidam com pessoas afetadas pela desorganização crónica, o ICD* (Institute for Challenging Disorganization) desenvolveu uma ferramenta de trabalho muito importante que é a ESCALA DE DESORDEM E ACUMULAÇÃO. Trata-se de uma escala de medição do nível da desordem, que avalia parâmetros relacionados com a saúde e a segurança, contribuindo para que o profissional de organização e outros colaboradores, possam eleger as necessidades prioritárias a serem atendidas.

Essa escala é composta por cinco categorias de avaliação e hoje vamos falar sobre a primeira:

ESTRUTURAS E ÁREAS

Quando falamos em estrutura, devemos ter em consideração os seguintes aspetos:

  • Acessos da casa, como portas e janelas;
  • Instalações (hidráulica, elétrica, aquecimento, ventilação ou ar condicionado) se estão completamente funcionais;
  • Detetores de incêndio e de monóxido de carbono.

O nível das estruturas e áreas é avaliado como:

  1. baixo
  2. moderado
  3. elevado
  4. alto
  5. severo

O que devemos observar, de acordo com a escala?

É considerado um nível de baixo risco, quando mesmo havendo um acúmulo grande de objetos, todos os acessos da casa, como portas e janelas, estão desobstruídos, permitindo a circulação de ar e de pessoas e quando todos os sistemas elétricos e de ventilação funcionam sem problemas.

O risco moderado é observado se existir ao menos uma (01) saída importante obstruída, sistemas elétricos e hidráulicos funcionando parcialmente, sistema de aquecimento sem funcionar há vários meses, alguns eletrodomésticos avariados e sem uso há muito tempo.

Quando se tem uma desordem no exterior da casa, de coisas que deveriam ser guardadas no interior, quando os sistemas hidráulicos, elétricos e de aquecimento já não funcionam há vários meses, e quando a casa já apresenta alguns problemas estruturais ocorridos nos últimos 6 meses, avalia-se como risco elevado.

O risco alto é observado quando existe uma desordem EXCESSIVA no exterior da casa, e também no interior, quando os sistemas elétricos, hidráulicos e de aquecimento já NÃO funcionam há mais de um ano, quando há danos estruturais na casa iniciados há mais de 6 meses, danos no chão e nas paredes, causados por água, canalização danificada e sem funcionar corretamente, mau cheiro decorrente do esgoto e portas e janelas danificadas.

Numa situação de risco severo (grave) verifica-se:  desordem extrema no interior e no exterior da casa, crescimento de relva e folhagens, máquinas e/ou viaturas, coisas de maior porte e valor e alguns tipos de ferramentas, abandonadas e avariadas, sistema de ventilação inexistente ou inadequado, os sistemas elétricos, hidráulicos e de aquecimento que já NÃO funcionam,  portas e janelas completamente obstruídas, danos irreversíveis na estrutura da casa,  mau cheiro ou evidência de detritos de esgoto e canalização que já não funciona.

Viver numa situação de acumulação, é algo muito difícil e que causa sofrimento para as pessoas envolvidas, alimenta um sentimento de vergonha, culpa e solidão. Muitas vezes os familiares não sabem onde procurar ajuda e por isso pensam não ter mais solução. Às vezes desistem de tentar, mas a ajuda que procuram existe, porém não é algo fácil: é preciso contar com o apoio de uma equipa multidisciplinar.

Como já foi mencionado em artigos anteriores, é preciso contar com o auxílio de um profissional de saúde mental, de um profissional de organização qualificado para lidar com acumulação e, além disso, de profissionais para atuar na reparação dos danos e limpeza especializada, garantindo a perfeita desinfeção dos espaços após meses ou anos de acumulação.

Com a estrutura e segurança da casa assegurada, os habitantes poderão continuar a usufruir do seu lar.

Quanto antes você se aperceber e identificar esses sinais, mais chances o seu familiar tem de modificar este comportamento acumulador.

Existe ajuda para si, nós estamos aqui!

* ICD (Institute for Challenging Disorganization) é uma organização de educação, pesquisas e estratégias para beneficiar as pessoas que são afetadas pela desorganização crónica e para os profissionais que trabalham com elas.

Fonte: ICD – Escala de Desordem-Acumulação – versão 2020

Autora: Vanessa Tagliari – Organizadora de Espaço.

Vanessa TagliariOrganizadora profissional desde 2016, com certificação profissional comprovada e onde atualmente se encontra a especializar na resolução de problemas de desorganização crónica e acumulação excessiva.
A Vanessa, ajuda as pessoas a encontrarem a organização dentro de si através da organização dos espaços físicos. Saibam mais sobre o trabalho da Vanessa Tagliari em: Vanessa Tagliari – Organizadora Profissional

Contacto: vanessatagliariorganizadora@gmail.com ou +351 919 792 565

** Este artigo contou com a revisão de: Jacqueline Moreno – Organizadora Profissional (Minas Gerais – Brasil). Contacto: jacquelinemorenotsilva@gmail.com

 

PALAVRAS-CHAVE: Acumulação compulsiva; Hoarder; Hoarding; Deathclean; Organização; Organizadora; Vanessa Tagliari; Segurança; Distúrbio